Entre em sua conta



Crie sua conta


Dados Pessoais

Endereço

Dados da Conta


Sindicato dos Funcionários Municipais mantém diretoria para próximo ano

28 de agosto
000

Funcionários reelegeram Lourival Basílio como presidente por mais 5 anos em eleição ocorrida nos dias 17 e 18 deste mês

Nos dias 17 e 18 de agosto, os funcionário municipais votaram para eleger a nova diretoria do Sindicato dos Funcionários, Servidores e Empregados Municipais, Ativos, Inativos, Pensionistas e Autárquico de Bebedouro para os próximos 5 anos. Com duas chapas concorrendo, a vencedora foi a chapa 1 com 262 votos (58,48%), contra 181 votos para Chapa 2 (40,40%), 3 votos brancos (0,67%) e 2 votos nulos (0,45%). No total foram 448 votos, sendo que 902 servidores estavam aptos a votar (pelo estatuto, só sindicalizados há pelo menos 1 ano têm direito a voto). Ou seja, quase metade dos votantes participou da eleição. Vale lembrar que, de acordo com informações, a Prefeitura conta com cerca de 3 mil funcionários, mas apenas parte deles são sindicalizados.
A chapa 1, vencedora, denominada “Coragem e Fortalecimento”, tem em sua diretoria executiva Lourival Rosa Basílio, atual presidente reeleito, Amarildo José da Silva Pinto como vice-presidente, Mozart Avi Júnior como 1º tesoureiro, como secretário Airton Pinheiro e como diretora social Márcia Maria Muniz Moreira. Como suplentes da diretoria, Sebastião Benedito Alves, Claudecyr José Gonçalves e José Vicente dos Reis Mendes. Para o conselho fiscal titular, Elizangela Cristina Paniagua, Antônio Luiz Fernandes e José Carlos Luca de Oliveira. Para o conselho fiscal suplente, João Aimar Inácio Pereira e Silmara Aparecida Thomaz. Para o conselho de delegados representantes titulares junto à Federação, Aparecido Miranda Júnior e Bernadete Pereira. Para Suplentes do conselho de delegados representantes titulares junto a Federação, Sanderly Cristina Perossi e Nilson Alves Tosta. 
A reportagem de O Jornal conversou com o presidente reeleito, Lourival Basílio, que nos contou sobre como foi o pleito, sobre os planos para o próximo mandato e sobre assuntos relativos à categoria. 

A eleição 
“A eleição transcorreu tranquilamente, com segurança e transparência. Tivemos uma adesão substancial e todos tiveram a oportunidade de optar no que seria melhor para si. Saímos ganhadores novamente e agora é começar nosso novo trabalho a partir de abril do ano que vem.” 

Adesão dos votantes
“As pessoas são ressabiadas em aparecer em uma eleição sindical, outros se sentem constrangidos perante o chefe por votar, então muitos não comparecem. Outros acham que o sindicato não faz nada e não serve para nada, mas eu disse que a oportunidade de se fazer mudanças é na eleição. Depois não adianta questionar que nada muda. Todos temos dificuldades e o único meio de reverter isso é através do sindicato. Nós conseguimos pelo menos a reposição inflacionária porque começarmos a negociar em janeiro, se deixássemos para depois talvez a gente não tivesse conseguido.” 

Próximos passos 
“Estamos tentando fechar um convênio médico com a São Francisco, estamos esperando a cotação. Vamos tentar conseguir a cesta básica para o aposentado, que é uma briga antiga nossa, e muitos falam que a gente só tenta e não consegue. Mas se não tentarmos não vamos conseguir nada, como foi o caso das 36 horas da Saúde e do Sesmet, que batalhamos e conseguimos após vários anos. Tudo depende muito da administração pública que tem dificultado o nosso trabalho, mas estamos aqui para lutar e tentar mais benefícios para a categoria.”

União com a outra chapa
“Não há condições de trazer a outra chapa ‘para dentro’. Conversamos antes da eleição para tentar melhorar a entidade sindical mas não houve interesse. Deixamos abertos para que quem tivesse propostas em benefício do servidor que trouxesse para nós, mas não trouxeram nada, estamos no aguardo. Vamos colocar o que nossa chapa se propôs a fazer e estamos abertos a todos que tiverem boas ideias em benefício ao trabalhador.” 

Mudanças no estatuto
“Até agora está paralisado, até porque para ir para a Câmara, apesar de o prefeito ter a maior parte dos vereadores, ele tem que ir completo, inclusive com o valor que irá se gastar com a mudança, o impacto orçamentário que terá. Ele não tem, já parte errado daí, ele não tem a participação da entidade sindical, não tem a participação dos trabalhadores. Eles dizem que tem, mas são funcionários comissionados, que recebem para isso. Acho que a comissão deve ser feita por setor e composta por trabalhadores que possam realmente discutir a mudança em seus direitos. Mas está paralisado, não houve mais nenhuma reunião da comissão.”

Mudança feita por partes
“O prefeito votou algumas mudanças no estatuto de forma picada, por partes. Questionamos, mas o prefeito tem a maioria e aprova. Recentemente foi uma outra mudança, mas o presidente retirou da pauta e esperamos que ela seja modificada em benefício do trabalhador.”

Propostas para enxugar a máquina e remanejamento de funcionários
“Hoje temos para aposentar na prefeitura cerca de 15% dos trabalhadores por tempo de serviço e aposentadoria especial. Se você aposentar esse pessoal que hoje tem uma média salaria de R$ 3 mil a R$ 5 mil e abrir novos concursos você vai movimentar o dinheiro do Sasemb e reduzir custos, pois esses novos não terão quinquênio, sexta parte, licença-prêmio, não vai ter um monte de benefícios que os que hoje estão, têm. Seria um benefício econômico para a Prefeitura. Porém, por outro lado, existe o Sasemb, que por conta dos parcelamentos que foram feitos a hora que esse pessoal aposentar o cofre baixará rapidamente. Os novos que vão entrar irão repor parte desses valores, mas nem tanto, pois os parcelamentos foram muitos, foram mais de 4 administrações que parcelaram valores altos. Mas acho que seria um grande passo aposentar quem tem direito e contratar, abrir concursos para pessoas novas que entrarão com gás novo. E deveriam acabar com o desvio de função, pois isso lesa o serviço público e faz com que o trabalhador não dê o máximo de si para o que foi contratado.” 


Deixe um comentário