Entre em sua conta



Crie sua conta


Dados Pessoais

Endereço

Dados da Conta


Bebedouro tem o combustível mais caro da região

29 de maro
000

Cidade ganha disparado em comparação com as cidades da região pesquisadas pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), entre os dias 1º e 7 de julho de 2018. Ministério Público e Procon precisam agir com urgência

 

Bebedouro tem o combustível mais caro da região. O fato pôde ser confirmado pela reportagem de O Jornal, em consulta ao site da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), que auferiu os dados entre os dias 1º e 7 de julho de 2018. O motivo não se sabe, mas entre as 10 cidades pesquisadas pela reportagem, Bebedouro lidera com folga. Para se ter uma ideia, a diferença para a segunda colocada, São José do Rio Preto, na gasolina é de R$ 0,03 e no etanol é de R$ 0,07. Pena no site não constar cidades menores, como Viradouro e Severínia por exemplo, onde o combustível é vendido ainda mais barato e elevaria ainda mais a diferença entre Bebedouro e outras cidades.

Segundo o site da ANP, o posto com a razão social Delevatti Comércio de Combustíveis, na Rodovia Brigadeiro Faria Lima, oferece a gasolina mais barata (R$ 4,199), e o posto Estrela D’Alva, na rua Rubião Júnior, a mais cara (R$ 4,599). No mesmo valor da gasolina mais cara estão os postos Coopercitrus Cooperativa de Produtores Rurais da rua São João e da avenida Quito Stamato, o posto Rede B. B. Petro da avenida Francisco Pardo e o posto Centenário, na avenida Edne José Piffer. A diferença entre a gasolina mais cara e a mais barata é de R$ 0,40, que pesa bastante na hora de encher o tanque. Da gasolina mais barata para a segunda mais barata (a do posto Muller, na avenida Pedro Paschoal), que vende a R$ 4,429, a diferença chega a R$ 0,23 por litro.

No etanol, posto com a razão social Delevatti Comércio de Combustíveis também tem o menor preço (R$ 2,549), e o mais caro é vendido no posto Cutrale Empreendimentos, na avenida Allan Kardeck, por R$ 2,855. A diferença entre os dois é de R$ 0,31 por litro.

Pesquisamos também o valor do diesel, que é vendido pelo posto com a razão social Delevatti Comércio de Combustíveis a R$ 3,139, o menor valor da cidade. O maior valor é do posto Muller, que vende a R$ 3,429. A diferença é de R$ 0,29 por litro.

Os menores valores da gasolina dentre as cidades pesquisadas foram em Ribeirão Preto e Barretos, que vendem a R$ 4,059. O menor valor para o etanol é da cidade de Ribeirão Preto, que vende a R$ 2,257.

Segundo análise feita pela Ceper/Fundace (Centro de Pesquisa em Economia Regional e Fundação para Pesquisa e Desenvolvimento da Administração, Contabilidade e Economia), a trajetória de aumento da cotação do barril de petróleo, ocorrida a partir da segunda metade de 2017, coincidiu com a mudança na política da Petrobrás de correção diária de preços atrelada à cotação internacional da commodity. Desde então, o petróleo aumentou 50,6%, em termos reais, o que tem impactado diretamente no preço dos combustíveis (gasolina e diesel).

No país, houve elevação de 18,2% no preço real da gasolina. A região com maior incidência de tributos estaduais (ICMS) na composição do preço da gasolina ainda é a região Sul (28,44%), seguida pelas regiões Centro-Oeste e Nordeste (ambas com 28,28%), Sudeste (28,17%) e Norte (25,61%). A porcentagem restante, em torno de 13% a 20% do preço, divide-se entre custos de transporte, margens de distribuição e revenda.

O diesel também seguiu a trajetória de alta no preço. Nacionalmente, o preço médio foi de R$ 3,05 em julho de 2017 a R$ 3,63 em maio de 2018, um aumento de 19%.

“No dia a dia, a expectativa de redução expressiva no preço da gasolina nas bombas ainda é muito baixa, principalmente se a Petrobrás prosseguir com a política de reajustes diários. A menos que haja queda significativa no câmbio e no preço do barril de petróleo, o cenário não deve mudar”, avalia Luciano Nakabashi, pesquisador do CEPER e coordenador do Boletim Sucroalcooleiro, elaborado em conjunto com os pesquisadores Francielly Almeida e Marcelo Lourenço Filho.

 

Procon e Ministério Público

Em maio deste ano, o vereador Paulo Bola (MDB), enviou requerimento do Procon “para que a unidade da Fundação de Proteção e Defesa do Consumidor possa acionar fiscalização para proceder levantamento dos valores praticados no setor de combustíveis, a fim de constatar a compatibilidade dos preços, remetendo os levantamentos a este Legislativo Municipal para viabilizar ações visando contribuir com os munícipes.”

Apesar de em outros municípios essa fiscalização ocorrer via Procon, em Bebedouro não pode, segundo resposta enviada pelo Diretor de Gabinete, Paulo Sérgio Garcia Sanchez. Ele disse que essa fiscalização é de competência do Núcleo Regional de São José do Rio Preto, e que embora o Procon daqui seja conveniado, não estamos capacitados/credenciados para esse tipo de fiscalização. O diretor cita notícia do site do Procon que diz que apesar de o estado contar com 275 unidades conveniadas do Procon, apenas 49 estão capacitadas para tal fiscalização. Que tal capacitar nosso Procon? A cidade precisa de uma fiscalização mais acentuada nos postos de combustíveis, até para tirar da imaginação da população que na cidade está instalado um “cartel” e que ninguém faz nada. O Ministério Público, órgão que visa defender os direitos dos cidadãos, também poderia agir.  

 

 

Posto

Gasolina

Etanol

Diesel

Delevatti

4,199

2,549

3,139

Müller

4,429

2,759

3,429

Posto do Lago

4,439

2,699

-

Pena Verde

4,499

2,799

3,179

Cutrale Empreendimentos

4,455

2,855

-

Coopercitrus

4,599

2,799

3,199

Rede B.B. Petro

4,599

2,759

-

Centenário

4,599

2,759

-

Estrela D’Alva

4,599

2,759

3,189

 

                                             Valores em Reais, de acordo com o site da ANP entre os dias 1º e 7 de julho

 

 

 

Cidade

Gasolina (Média)

Gasolina (Min/Max)

Bebedouro

4,512

4,199/4,599

São José do Rio Preto

4,485

4,289/4,649

Matão

4,484

4,299/4,599

Sertãozinho

4,437

4,190/4,569

Olímpia

4,428

4,399/4,599

Itápolis

4,426

4,349/4,579

Jaboticabal

4,380

4,190/4,499

Monte Alto

4,346

4,259/4,449

Ribeirão Preto

4,342

4,059/4,598

Barretos

4,167

4,059/4,399

 

                                                 Valores em Reais, de acordo com o site da ANP entre os dias 1º e 7 de julho

 

Cidade

Etanol (Média)

Etanol (Min/Max)

Bebedouro

2,754

2,549/2,855

São José do Rio Preto

2,683

2,549/2,799

Matão

2,671

2,519/2,799

Itápolis

2,553

2,449/2,699

Sertãozinho

2,500

2,480/2,509

Ribeirão Preto

2,499

2,257/2,968

Monte Alto

2,454

2,359/2,599

Barretos

2,437

2,259/2,599

Olímpia

2,425

2,359/2,679

Jaboticabal

2,409

2,290/2,599

 

                                                 Valores em Reais, de acordo com o site da ANP entre os dias 1º e 7 de julho 


Deixe um comentário