Entre em sua conta



Crie sua conta


Dados Pessoais

Endereço

Dados da Conta


Antigo Museu Eduardo Matarazzo será reaberto como “Museu de Bebedouro”

19 de maio
000

Pedido teria sido feito por Patrícia Matarazzo, filha de Eduardo e antiga mantenedora. Com menos peças do acervo original, local será reaberto com Encontro de Carros Antigos do Clube Esplendor, que assumiu gestão do museu

Quatro meses depois de fechado, o museu Eduardo Matarazzo será reaberto no domingo (28), às 10h30. Cerca de dois meses depois de firmada uma parceria entre o Clube Esplendor e a Prefeitura de Bebedouro o museu está de volta, talvez não o museu que a cidade teve, mas estará reaberto. Sai “Museu Eduardo Matarazzo” e entra “Museu de Bebedouro”, talvez já anunciando pelo nome que parte significativa do acervo não poderá mais ser vista nas dependências do local, conforme noticiamos em março, quando a antiga mantenedora Patrícia Matarazzo fez a retirada de algumas peças. O pedido para a troca de nome teria vindo da própria Patrícia, segundo Cristiano Caom, presidente do Clube Esplendor. “Não terá mais o nome de Eduardo Matarazzo, será Museu de Bebedouro. Está mudando a gestão do museu, o museu antigo não estará lá, as peças sim, mas será como se fosse uma outra empresa. Ela [Patrícia] pediu, vai ser como se tivesse uma outra administração. O acervo estará lá, mas terá outro nome. Ela voltou o comodato que tinha com o prédio para a Prefeitura e passou o acervo em comodato para o clube e para a Prefeitura”, disse em entrevista ao O Jornal. 
Para celebrar a volta do museu, a 15a edição do Encontro de Carros Antigos do Clube Esplendor será realizada no local. “A expectativa é grande, tem bastante gente confirmando presença. O evento é tradicional, está em sua 15a edição e como tinha que abrir o museu decidimos fazer junto. O clube está com parceria com a Prefeitura, que está nos ajudando bastante. Todos em parceria. A Prefeitura cuida da parte estrutural e o clube cuida do acervo”, explica Caom. 
Sobre o acervo do museu, que teria ficado sem peças importantes e em volume considerável, Caom minimizou e disse que, em termos de museu, o espaço ficou até mais agradável e de melhor visualização. “Vamos colocar peças de associados para enfeitar na inauguração. O museu não perdeu sua essência, para que vier visitar vai ter avião, a parte de guerra, bastante coisa. Ele ficou mais bonito porque ficou com mais espaço, dá para ver melhor as peças e está com mais cara de museu. Ela [Patrícia] entregou quase pronto para finalizar o serviço, faltam apenas alguns detalhes como pintura, trocar vidros. Deu tudo certo. Não importa quem está no comando, o que importa é reabrir o museu”, disse, citando a pintura do prédio que teve início nesta semana.
Caom lembrou também a história do Clube com o museu, que não é de hoje. “Fizemos o primeiro encontro de carros antigos com o nome de Eduardo Matarazzo para fazer uma homenagem a ele, isso há 15 anos e com ele ainda vivo. Ajudamos na divulgação do museu, depois continuamos a fazer o evento com o outro nome, mas nunca imaginamos cuidar do museu. É uma grande responsabilidade, não podíamos fugir desse compromisso. Temos os contatos, sabemos cuidar. Acredito que o Clube Esplendor seja o mais indicado na cidade para cuidar disso, pois conhecemos bem o acervo e como tomar conta das peças”, elencou, ressaltando o amor do grupo por carros antigos e a experiência de cada um dos membros. 
O encontro deste ano, além de marcar a reabertura do museu, promete ser ainda mais interessante que dos outros anos. “Temos até a confirmação de que virá um grupo de comandantes da Varig para nosso evento no dia 28. Isso engrandece o museu da cidade e nosso evento, pois eles são apaixonados pelo segmento e temos raridades em aviação aqui. Tem um pessoal que é colecionador da área militar e que também virá ao evento vestido a caráter, então vamos arrumar a área militar de nosso acervo para que possam conhecer. Temos 3 pavilhões no museu, o primeiro e segundo com carros antigos e terceiro com militar. Temos um bom acervo militar e que atrai bastante o público”, adiantou.  
Caom também de outras atrações que abrilhantarão o evento. “Neste ano vamos ter a exposição do ferreomodelismo, o pessoal apaixonado pelo vinil, tudo dentro do museu. Na parte de fora teremos os foodtruck, comerciantes de peças de carros antigos, e outras atrações”, contou.
Com o intuito de movimentar a área e trazer público para o museu, Caom mira outros segmentos de colecionadores e também outros públicos. “A ideia não é só esse encontro, é fazer outros tipos de evento, como motoclube por exemplo. Vamos buscar outros colecionadores, pessoas ligadas à aviação e também outros segmentos. Pretendemos fazer diversos eventos no museu. Pensamos em apaixonados por motos, aviões, a parte área de guerra/militar, jipe, dá para fazer muita coisa ali”, disse, otimista e já mirando no futuro.
A nova gestão já será sentida na bilheteria. Agora, menores de 10 anos não pagam ingresso (antes eram menores de 6 anos). “O Clube Esplendor vai tomar conta da bilheteria e prestaremos conta a cada 6 meses, tanto do caixa, de quantas pessoas visitaram. Mudamos a faixa etária das crianças isentas de pagamento, antes era até 6 anos e agora passou para até 10 anos, estudante paga meia entrada e o valor integral é de R$ 10. É um valor bastante acessível, popular. Dá para a família ir visitar e conhecer. Com a verba aplicaremos no museu, na manutenção. Quem vai cuidar é o Clube, a Prefeitura manterá o prédio, colocará guarda, vai cortar a grama como já fazia, e nós do Clube ficaremos com a manutenção das peças”, disse, ressaltando que os membros do Clube irão procurar as escolas da cidade e da região para criar parcerias para que os estudantes conheçam o acervo e, consequentemente, a história das peças. 
Cristiano Caom, ciente das dificuldades do município, disse que o Clube vai procurar ajudar em tudo que puder e que vai buscar parcerias, sem deixar tudo para a Prefeitura. “O que pudermos fazer, vamos fazer, nem tudo pretendemos deixar para a Prefeitura, porque é difícil, a situação está difícil e o município tem outros gastos como Saúde e Educação. Quanto mais conseguirmos arrecadar, podemos fazer melhoria. Queremos buscar peças para o museu, buscar parcerias com empresas que podem deixar sua marca para ser vista pelos visitantes, buscar patrocínio. O clube, por ser uma entidade sem fins lucrativos, pode fazer isso.” 
Caom também adiantou uma novidade ao O Jornal. O Clube Esplendor se filiou a Federação Brasileira de Veículos Antigos (FBVA), importante no segmento e que tem poder de buscar verbas nos ministérios para fomentar a atividade. “Todos os clubes importantes são filiados à Federação e a instituição está ajudando muito o nosso evento. O presidente está sempre em Brasília para buscar melhorias para o segmento, e a federação ofereceu ajuda e pode buscar verbas para o museu. No dia do evento haverá a entrega oficial do título de filiação ao Clube Esplendor, nós já somos filiados, mas eles deixam para filiar no dia do evento, numa solenidade. Eles estarão aqui para ajudar e hoje toda a ajuda é bem vinda”.  
“Fazemos todo o possível para manter o museu aberto, estamos ouvindo a população, tem bastante empresa querendo ajudar. Foi um pedido da Patrícia, ela passou o acervo para a cidade. As papeladas ainda estão resolvendo, queremos tocar o museu e não importa o nome. Nosso objetivo sempre será tocar o museu, trocando prefeito ou não vamos ajudar sempre. Somos 51 associados e cada um é um braço de divulgação do museu. É um recomeço”, finalizou Caom.

Continue lendo...


Deixe um comentário